A importância da solitude nos relacionamentos.

A importância da solitude nos relacionamentos.

Por: Psicóloga Patricia Figueiredo- CRP 06/96792

Sabe-se que solitude é diferente da solidão. A solidão é sentida pela
pessoa quando se tem uma dependência afetiva do companheiro ou do meio
familiar ou social para preencher uma incompletude. A solitude é diferente. A
pessoa se sente completa mesmo tendo um companheiro e necessita de um
tempo sozinho para conectar-se consigo mesmo. Diferente do jargão: as
duas metades da laranja se completam, prefiro dizer que duas laranjas
inteiras estão juntas, porém se separam de tempos em tempos. Ou aquela da
tampa e a panela”, e eu complemento que elas que se lapidam ao longo do
tempo para o perfeito “encaixe”.

O autor antroposófico Seigh em seu livro “Amigos y amantes:
Trabajando las relaciones humanas” diz que para se relacionar bem com
outra pessoa, é importante que haja uma boa relação consigo mesma. Ele
complementa que deve-se ter momentos de solidão, que não significa isolar-
se do mundo. É uma solidão saudável para chegar-se a si mesmo, e que o
outro deve respeitar estes momentos. Eles trazem o silêncio, que regenera a
energia vital. Não é fácil trazer paz e quietude para clarear as preocupações
e medos. E conseguir isso se dá através de uma conversa com alguém que
saiba escutar bem (olha a psicoterapia aí!!!!), através da arte que ativa a
criatividade e expressa seu elementos divino que todos têm.

Ele adiciona que a vida se enriquece ao se contactar com esta outra
dimensão. Pode-se contar com ela através da silenciosa abertura que leva a
pessoa à fonte criadora do próprio ser, para sua alma que se conecta com a
sabedoria universal e a energia criativa do mundo espiritual. Isso leva a
descobrir o poeta dentro de si, o mistério do profundo, uma mensagem que
cura e guia. Ouve-se a voz interior que fala suavemente da alma, livre de
estresse emocional, culpa, medo e vergonha. Aí entra-se em contato com o

Eu Superior, que é a parte eterna do ser humano. Podemos fazer uma
analogia do Eu Superior com Self do Carl Jung.
Ter tempo para este espaço interno possibilita o autoconhecimento tão
necessário para as relações. Esse tempo para fazer o que quiser, dar-se um
presente, fazer ginástica, meditar, e sobretudo voltar para dentro para
visualizar a sua autorresponsabilidade não só em seu relacionamento
amoroso, mas também em todos os âmbitos da vida.
Fiquem ligados! Mês que vem estou por aqui!
Um beijo, Patricia Figueiredo

Confira meu último artigo: CLICANDO AQUI!