Comunicação mãe-feto: a importância de se estimular essa prática

Comunicação mãe-feto: a importância de se estimular essa prática

Por Psicóloga Rafaela de Almeida Schiavo CRP: 06/93353

Não é incomum gestantes conversarem com seus bebês. Para quem observa pode até parecer loucura, mas as mães que conversam com seus bebês/feto estabelecem uma boa comunicação mãe-filho, onde inclusive o bebê/feto interage respondendo à mãe com movimentos. A partir da 14ª semana de gestação a audição dos fetos passa a iniciar seu processo de desenvolvimento, ou seja, o feto a partir da 14ª semana pode ouvir e a partir de então pode até memorizar. Existe inclusive um estudo famoso em que se pedia para um grupo de gestantes ler determinada história todos os dias para seu feto/bebê e a mesma coisa foi solicitada para um outro grupo de gestantes, entretanto, a historia deveria ser outra. Após o nascimento desses bebês identificou-se que em períodos de agitação quando a mãe lia a história que o bebê tinha sido exposto durante o período fetal ele se acalmava, mas se a mãe lesse a outra história o bebê não se acalmava e isso foi verificado nos dois grupos.

Outro estudo também identificou que os bebês preferem o som da voz de mulheres, preferem mais ainda o som de voz de mulheres pronunciado na sua língua materna e não em língua estrangeira e mais ainda, dentre os sons de voz de mulheres ele sempre dá maior preferencia para o som da voz de sua própria mãe. Portanto, falar com bebê/feto é importante e ajuda no estabelecimento da vinculação mãe-bebê.

Psicólogo Perinatal, estimule sua cliente a conversar com o seu feto/bebê sempre que isso for possível.

Confira meu último artigo: CLICANDO AQUI!