Atendimento Domiciliar(Home Care)

Atendimento Domiciliar(Home Care)

Por: Psicólogo Rodrigo Romão Antonio CRP 06/129455

Atendimento Domiciliar (Home Care) – Levando a Psicologia a quem precisa:

Quando estudamos a história da prática de atendimento de doentes em domicílio, podemos identificar que tal prática já é citada no Velho e no Novo Testamentos, as organizações de home care (termo americano para assistência domiciliar) eram formadas por associações de enfermeiras visitadoras, vinculadas a movimentos filantrópicos. Esses programas tinham como foco a saúde pública e a prevenção de doenças. No início do século XX, as visitas domiciliares eram feitas por médicos, com limitações de tecnologia e tratamentos.
Essa prática em atendimento domiciliar na área da saúde vem crescendo, nos setores público e privado, com argumentos que vão desde a relação custo-benefício até a busca da humanização do tratamento. Diversos profissionais da saúde utilizam o atendimento domiciliar (muitas vezes denominado home care), e diante da necessidade dos cuidados a saúde emocional, dada a crescente conscientização da importância da Psicologia nos dias atuais, nós profissionais não poderíamos desprezar essa modalidade de atendimento, que assim como outra vem para aproximar profissionais da Psicologia aos pacientes que precisam de cuidados no âmbito psicológico.
O atendimento Psicológico a domicilio pode ser definido como o atendimento que o profissional faz a pessoas que apresentem dificuldades ou impedimentos de locomoção, devido a patologias ou outros motivos que as impedem de se dirigir ao consultório para receber tratamento. Em determinadas situações, o trabalho pode envolver orientação à família ou ao responsável pelos cuidados prescritos ao paciente.

O que é atendimento Home Care ou atendimento domiciliar?

É a assistência psicológica em domicílio, destacando-se que entende-se como domicílio não apenas a residência do paciente, mas também casas de repouso, hospitais, hospitais psiquiátricos entre outros.

A expressão “Home care” trata-se de uma expressão da língua inglesa que vem sendo muito aplicada no Brasil, sua tradução literal é “cuidados de saúde em casa”.

Tratando-se de atendimento psicológico, o atendimento home care é indicado para qualquer pessoa que necessite de cuidados domiciliares, tanto por razões que impeçam ou impossibilitam os atendimentos em consultório, quanto para AT – Acompanhamento Terapêutico.

Os principais motivos para o atendimento psicológico domiciliar ocorrem em função de:

> Limitações Logísticas: Compreende basicamente o atendimento ao grupo familiar, devido a dificuldade encontrada muitas vezes em organizar e locomover vários membros da família ao consultório, principalmente em casos de famílias maiores. Às vezes a única forma de se conseguir promover Terapia Familiar é efetuar os atendimentos na residência da própria família.

> Vantagens Clínicas: Compreendem alguns dos atendimentos a crianças e adolescentes, no que tange à psicoeducação, e também ao AT (Acompanhamento Terapêutico). No caso da psicoeducação, ao efetuar esse tipo de terapia no ambiente domiciliar torna-se possível, analisar as contingências sociais da criança, pais, avós, babá, irmãos etc. De igual forma, ao AT que permite ao psicólogo analisar e pontuar quase que imediatamente nas relações do paciente com o meio social.   

> Limitações Físicas: É o grupo de pacientes que têm dificuldade de locomoção. O qual se enquadram os idosos, os portadores de deficiência física, pessoas que sofreram acidentes e temporariamente têm dificuldade em se locomover, pessoas acamadas, pessoas mais fracas por conta de tratamento oncológico, que sofreram de AVC entre outros.

> Limitações Clínicas: Compreendem os casos clínicos, quando críticos, de fobia social, ansiedade, depressão e outros que desmotivam as pessoas a saírem de casa, tornando possível a Terapia apenas se realizada no ambiente domiciliar.

No ambiente domiciliar o psicólogo pode acompanhar a realidade do paciente, analisar as contingências do ambiente em relação ao paciente, bem como observar as características da dinâmica familiar. Evidentemente, o sucesso na superação da queixa apresentada pelo paciente está muito mais relacionado ao vínculo que se estabelece entre o profissional-paciente do que relacionado ao local onde se estão sendo realizadas as sessões de terapia.

Segue abaixo alguns dos casos mais comuns para a busca de um atendimento domiciliar:

> Queixas relacionadas ao âmbito familiar: desestruturação familiar, problemas de relacionamento, parceiro, famílias que não conseguem se organizar para todos seus membros irem até o consultório.

>Adolescentes e Juventude: distância da família, isolamento e relações sociais, os conflitos com autoridade, performance escolar, a convivência.

> Crianças e psicoeducação de pais: relacionamento na escola, bullying, relacionamento com adultos, hábitos alimentares, sono e problemas de comportamento (geralmente as crianças se comportam de forma diferente em seu próprio lar, possibilitando ao psicólogo identificar mais rapidamente, facilitando as intervenções).

> Queixas relativas ao profundo estado de depressão, ansiedade, fobia social, angústia, insegurança, entre outras, que as limitem de sair de casa.

> Depressão pós parto.

> Pessoas de qualquer idade e familiares que lidam com espera de exames importantes, medo de doença grave ou antes de realização de procedimentos cirúrgicos delicados.

> Pessoas que desejam fazer terapia, mas não podem ou têm dificuldade de locomoção, como idosos e portadores de deficiência física.
> Pessoas que necessidade de repensar o sentido da vida, frente ao luto pela perda de uma pessoa amada.

Os atendimentos psicológicos domiciliares são geralmente realizados nos seguintes ambientes:

> Residência do paciente;

> Casa de Repouso;

> Hospital; Hospital psiquiátrico;

> Vários outros, principalmente nos casos de AT – Acompanhamento Terapêutico.

> “O trabalho de Home Care respeitará o Código de Ética Profissional do Psicólogo”, referente à proteção da intimidade das pessoas atendidas.
Atendimento psicológico home care está disponível para famílias e pessoas que têm dificuldade para se locomover até o consultório, seja por limitações logísticas, clínicas ou físicas. É por essas e outras razões que alguns terapeutas oferecem o atendimento domiciliar como solução.
É preciso desmistificar as outras modalidades de atendimentos do profissional de Psicologia, proporcionando aos que precisam a possibilidade do atendimento psicológico, pois em diversas situações o atendimento domiciliar é a única modalidade de atendimento factível a determinados pacientes.
Mas isso precisa começar por nós profissionais, que muitas vezes estamos enraizados em padrões de atendimentos, é preciso abrir a mente e sair da nossa zona de conforto para em vez de colocarmos obstáculos, buscarmos soluções para levar a Psicologia para quem precisa.
Mas isso só é preciso, quando deixarmos de apontar o dedo para os erros, ou para abordagens que difere das nossas e olharmos juntos como uma só Psicologia.

Confira meu último Artigo: Clicando AQUI!